Federação das Industrias do Estado do Piauí

Federação das Industrias do Estado do Piauí

O melhor do esporte é aqui !

CURTA A FANPAGE NO FACEBOOK

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Policial que salvou Neto quer visitá-lo: "Foi guerreiro, lutou por 10h pela vida" Subtenente Marlon Lengua se emociona ao lembrar de busca e quer conhecê-lo. Comandante conta que um dos resgatados morreu depois de carregado por 15 metros

Por Medellín
O grito de socorro de Neto ao amanhecer. O sobrevivente que terminou falecendo metros depois de ser carregado pelas equipes de resgate. O drama da tragédia da Chapecoense marcou as buscas colombianas. Comandante da Polícia de Antióquia, o coronel Wilson Pardo, relatou detalhes da busca que teve a participação de mais de 500 soldados de toda a corporação na tragédia de Medellín. O coronel revelou que todas as pessoas que saíram com vida estavam na parte de trás da aeronave. Muito emocionado, o subtenente Marlon Lengua salvou o zagueiro Neto quando as buscas estavam suspensas. Ele quer conhecer o jogador, que ainda se recupera em Medellín e vai passar por cirurgia nas pernas. 
- Quando escutei os primeiros ruídos e percebi que era uma pessoa (Neto). Nossa, o meu coração viveu uma emoção, uma mescla de sentimentos. Quando todos davam como perdido. ele foi um guerreiro, lutou por mais de 10h pela vida - disse, muito emocionado e ainda com as botas sujas de lama, o subtenente Marlon Lengua.  
subtenente Marlon Lengua colômbia acidente chapecoense (Foto: Vicente Seda / GloboEsporte.com)Subtenente estava muito emocionado: ele encontrou Neto após horas de busca (Foto: Vicente Seda / GloboEsporte.com)
A Polícia nacional da Colômbia foi a primeira a chegar ao local, contou o comandante da Polícia Nacional. Eram 20 policiais no princípio, que foram chamados por um soldado que mora próximo da região e ouviu o estrondo do avião. Apesar da escuridão, eles conseguiram resgatar as primeiras cinco pessoas com vida.
A morte metros depois do resgate
subtenente Marlon Lengua colômbia acidente chapecoense broche (Foto: Vicente Seda / GloboEsporte.com)No peito do subtenente, um broche da CBF e o luto pela tragédia (Foto: Vicente Seda / GloboEsporte.com)
Marlon Lengua encontrou Neto quando todos socorristas já haviam deixado o local, encerrando as buscas para retornarem nas primeiras horas do amanhecer. Muito emocionado, ele usava um broche com o símbolo da seleção brasileira e uma peça de luto. Ele comprou o adereço em Medellín.
- Quando terminamos a busca, os bombeiros se retiraram dizendo que não encontrariam mais corpos com vida. Socorristas disseram o mesmo. Únicos que ficamos fomos nós da Polícia Nacional, devido ao nosso compromisso e dever. Tentamos até 9 horas da manhã de hoje (quarta-feira). Eles se retiraram 2 horas da manhã, horário da Colômbia. Passadas horas depois encontramos o último sobrevivente, o Neto. Eu o escutei. Falei com meus companheiros para saber que não era impressão minha. Ele se queixava, gritava. Se manifestava a cada dois minutos. Isso quando já não havia mais esperanças nenhuma de socorristas e bombeiros - disse o subtenente da Polícia Nacional colombiana, que relatava o ocorrido muito emocionado.
Torcedor do Junior Barranquilla, Marlon disse que foi o trabalho mais traumático da vida dele. 
- Não é fácil uma pessoa como polícia e como ser humano que gosta de futebol chegar e encontrar jogadores mortos, alguns desmembrados. Ver bolas, camisas... É algo realmente traumatizante. É a primeira tragédia desta dimensão que trabalho - contou o subtenente.
Outro relato que impressiona é do comandante da Polícia Nacional. Um dos socorridos, que ele não soube precisar o nome - mas lembrou apenas de Andre Luis -, já era levado com vida para ser encaminhado ao hospital mais próximo, mas não resistiu.
- Escutamos sinais vitais dele, acho que se chama Andre Luis. Andamos 15 metros com os socorristas e terminou falecendo, infelizmente - contou o coronel Wilson Pardo.
Coronel Wilson Pardo, comandante da Polícia de Antioquia (Foto: Vicente Seda)Coronel Wilson Pardo, comandante da Polícia de Antioquia, comandou 500 policiais nas buscas (Foto: Vicente Seda)
Postar um comentário