Federação das Industrias do Estado do Piauí

Federação das Industrias do Estado do Piauí

O melhor do esporte é aqui !

CURTA A FANPAGE NO FACEBOOK

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Amigo de médico da Chape, técnico do Atlético-AC lembra último contato Álvaro Miguéis diz que Marcio Bestene Koury estava empolgado por time participar de uma final internacional. Amigos de infância, eles conversavam diariamente

Por Rio Branco, AC
Um dos amigos mais próximos do médico Marcio Bestene Koury, da Chapecoense, que está entre as 71 vítimas da tragédia aérea na Colômbia, o técnico do Atlético-AC, Álvaro Miguéis, em conversa com o GloboEsporte.com nesta quinta-feira (1), destacou a forte amizade entre eles, que começou ainda na infância, e o último contato que tiveram antes do acidente da madrugada de terça-feira (29), na manhã da segunda-feira, dia do embarque da delegação da Chape para Medellín.
Márcio Bestene com amigos no Acre (Foto: Reprodução/Facebook)Márcio Bestene (2º D/E) ao lado de amigos em Rio Branco, entre eles o técnico do Atlético-AC, Álvaro Miguéis, o atacante do Fluminense, Matheus Pato, o fisioterapeuta Leyf Barros, os atletas Leandro e Fellype, do Atlético-AC, e o fisioterapeuta Geison Morais, e o diretor de futebol do Atlético-AC, Elison Azevedo (Foto: Reprodução/Facebook)
- Nossos pais foram presos juntos na ditadura militar, em 1964, ano que nasci. Somos amigos de muitos anos. Quando entrei no futebol, na primeira Copa São Paulo, em 2010, o Márcio já em Chapecó, foi me ajudar com a equipe do Rio Branco-AC. E ia com dinheiro do próprio bolso, pagava tudo e nos ajudava de todas as formas possíveis. Mesmo com ele em Chapecó, todos os dias nós nos falávamos. O último contato que tive com ele foi pela manhã da segunda-feira, pelo whatsapp. Ele estava muito feliz porque era uma final de uma competição internacional que estaria presente, e queria que Elison (Azevedo), Geison (Moraes) e eu fossemos para a final. Disse para irmos até Porto Maldonado e de lá seguirmos para a Colômbia para encontrar com ele - relata.
Miguéis conta que ficou sabendo do sumiço do avião ainda na noite de segunda-feira (quando a aeronave desapareceu passava pouco das 22h em Rio Branco, capital do Acre). Ele diz que inicialmente a esperança era de que não fosse algo tão grave. Com a confirmação da tragédia, ele lamenta a perda do amigo e critica a companhia aérea responsável pelo transporte da delegação e dos jornalistas.
- Na hora que o avião sumiu, minha filha chegou me avisando. Fiquei preocupado porque toda vez que um avião some a gente fica na esperança de que apareça, mas na verdade quando aparece a tragédia já tem acontecido. Só temos a lamentar uma tragédia dessa, num ato criminoso, uma irresponsabilidade dos donos dessa companhia - afirma.
Àlvaro Miguéis, técnico do Atlético-AC, e Polaco, meia (Foto: Duaine Rodrigues)Àlvaro Miguéis, técnico do Atlético-AC, e Polaco, meia, durante treino no estádio Florestão (Foto: Duaine Rodrigues)
Álvaro Miguéis vai comandar o Atlético-AC por mais uma temporada em 2017. Um projeto que contava com o apoio do amigo e médico, que sempre que podia, colaborava. O treinador destaca que o clube vai precisar superar as dores de 2016 para tentar mostrar um futebol de qualidade dentro de campo.
- O Márcio era um dos idealizadores dessa nossa nova entrada no futebol. Sem dúvida, nós temos que jogar mais futebol do que jogamos em 2016. Foi um ano difícil nesse aspecto. Primeiro tivemos o acontecimento com o Josy (atingido com um tiro na perna durante a temporada), mas graças a Deus, ele está bem, na medida do possível. Não está jogando futebol, mas está levando a vida normal. E essa com o doutor é algo que nos deixa muito triste, devido a nossa proximidade. Mas vamos ter que superar como superamos o que aconteceu com o Josy. Espero que consigamos - comenta.
Para o futuro, fica a lembrança dos bons momentos e a saudade de um amigo que jamais será esquecido.
- Nós conversamos todos os dias no grupo de whatsapp que o doutor era o administrador. Estamos toda hora falando e vendo nossos vídeos, fotos e todas as Copas São Paulo que estivemos juntos. Quando ele estava aqui, participava dos jogos conosco. É uma lembrança que nós temos de um amigo, um irmão. Era um verdadeiro pai para os meninos todos e nós só temos que lembrar de tudo que ele fez por nós - completa.
Postar um comentário