Federação das Industrias do Estado do Piauí

Federação das Industrias do Estado do Piauí

O melhor do esporte é aqui !

CURTA A FANPAGE NO FACEBOOK

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Que bolo! Bastidores do calote sofrido por R. Augusto, aniversariante do dia Irmã de Léo Moura, Lívia da Silva Moura é acusada pelo meia de furto e estelionato. Há a desconfiança, também, de que ela utilizava WhatsApp da mãe do armador

Por Rio de Janeiro
Fernandinho e Renato Augusto no treino da seleção brasileira no Estádio Nacional em Lima, no Peru (Foto: Pedro Martins/MoWa Press)Renato Augusto denunciou irmã de Léo Moura por estelionato (Foto: Pedro Martins/MoWa Press)
O aniversário de 29 anos de Renato Augusto, comemorado nesta quarta-feira, não foi apenas com bolo e guaraná. Isso porque vazou justamente no dia da "festa" a denúncia à polícia que o jogador fez contra Lívia da Silva Moura, irmã do amigo Léo Moura. O meia do Beijing Guoan, da China, e da seleção brasileira acusa a parente do lateral-direito do Grêmio de estelionato e furto.
Além disso, há a desconfiança de que Lívia em algum momento utilizou o WhatsApp da mãe de Renato Augusto para falar com o gerente bancário dela e autorizar pagamentos. 
- Houve uma investigação prévia para que fizéssemos a denúncia, que precisou ser feita até para resguardar o Renato. E hoje ainda é aniversário dele... É um dia ruim para tudo isso - resumiu o advogado Ricardo Braga, que defende Renato Augusto e seus familiares. 
Uma pessoa da família do meia, indo de encontro à decepção dele independentemente da quantia perdida, não tem medo de dizer: 
- Claro que R$ 200 mil é muito dinheiro. Mas o problema maior não foi financeiro, foi a traição, já que era uma pessoa da família - disse, pedindo para não se identificar.
Antes de explicarmos o que envolve toda essa confusão, é preciso detalhar a relação entre Renato Augusto, Léo Moura e Lívia, que começou há muito tempo. 
O PREJUÍZO DE RENATO:

- R$ 200 mil, que pagou a Lívia
- R$ 200 mil, que pagou aos cantores depois do calote
Os dois jogadores atuaram juntos no Flamengo, de 2005 a 2008, e se tornaram grandes amigos. Em meio a essa relação, a irmã do lateral-direito também se aproximou do meia e da família dele - passou a ser tratada como parte dela, inclusive: participava de reuniões, organizava festas, dormia na casa dos "parentes postiços", viajava para assistir a jogos de Renato pela seleção brasileira atualmente. 
Lívia da Silva Moura, então, foi chamada por Renato Augusto e sua então futura esposa, Fernanda Klarner, para organizar o noivado do casal. Daquela vez, tudo, aparentemente, correu conforme combinado (este evento não está na denúncia feita pelo meia à polícia). No fim de 2016, a produtora foi chamada pela família para organizar a festa de ano novo. Notou-se, porém, um superfaturamento nas contas que levantou suspeitas, mas foi entendido como "parte do processo".
Na festa de um ano do casamento, Thiaguinho, Péricles, Belo, Rodriguinho e MC Marcinho foram contratados para agitarem a comemoração. Depois do evento, porém, Renato Augusto e seus familiares notaram uma diferença no valor final e duas folhas de cheque sumidas. A partir daí, eles decidiram investigar mais a fundo os gastos. 
E descobriram o seguinte: apesar de terem depositado toda a quantia pedida, o meia e seus parentes souberam que boa parte não havia sido repassada para os cantores - Péricles, inclusive, sequer foi à cerimônia por causa disso. O prejuízo subiu, então, para R$ 400 mil: os R$ 200 mil iniciais, mais R$ 200 mil que Renato Augusto utilizou para, aí sim, pagar os artistas. Mas não parou por aí.
Os cheques contabilizados no prejuízo tinham sido dados apenas como "sumidos", até que foram "interceptados". Com um trabalho de investigação antes que a denúncia à polícia fosse feita, o advogado Ricardo Braga, que trabalha com Renato Augusto, foi avisado por terceiros de que Lívia foi quem utilizou os cheques como pagamento. 
Léo Moura, lateral do Grêmio (Foto: Reprodução SporTV)Léo Moura, atualmente lateral do Grêmio, é amigo de Renato Augusto desde 2005 (Foto: Reprodução SporTV)
Ciente do furto e do estelionato, o meia da seleção brasileira quis apaziguar a situação: não era a ideia dele ir à polícia. Renato Augusto tentou fazer um acordo para que Lívia assinasse uma carta confessando o que fez, mas ela não quis. 
Houve, inclusive, uma reunião entre as famílias para que a produtora assumisse a dívida, mas ela voltou a negar e desapareceu. A partir de então, Renato Augusto decidiu ir à polícia - até para se resguardar perante os artistas contratados para a festa e uma possível utilização ilegal do dinheiro sumido.
Se não bastasse o problema com Renato Augusto, a irmã de Léo Moura também tem dívidas com outras pessoas do meio artístico, uma delas na Estação Primeira de Mangueira, tradicional escola de samba do Rio de Janeiro. 
Enquanto o caso é resolvido pela polícia, o meia da seleção brasileira não queria, de forma alguma, que isso vazasse. Ficou muito chateado por ver a notícia circular nos portais e nas redes sociais justamente no dia de seu aniversário. A amizade de Renato Augusto e Léo Moura, inclusive, sequer foi abalada: ambos entendem que o problema é financeiro e não entre os dois.

O Globoesporte.com entrou em contato com Lívia, mas uma mulher, dizendo-se familiar, falou que não poderia passar a ligação para a irmã de Léo Moura. 
Postar um comentário