Federação das Industrias do Estado do Piauí

Federação das Industrias do Estado do Piauí

O melhor do esporte é aqui !

CURTA A FANPAGE NO FACEBOOK

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Eurico Brandão Miranda faz pronunciamento após jogo em São Paulo

Por: Assessoria de Imprensa
São Paulo, SP
image
Eurico Brandão Miranda concedeu entrevista após o jogo- Foto arquivo: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

A partida entre Vasco e Corinthians, neste domingo (17/09), pelo Campeonato Brasileiro, foi decidida por um lance irregular. Isso porque o único gol do duelo foi marcado com o braço, pelo atacante Jô. Prejudicado pelo erro de arbitragem, o Gigante da Colina deixou o gramado sem pontuar. Após o apito final, o vice-presidente de futebol Eurico Brandão Miranda questionou o posicionamento das autoridades da federação local e criticou a ausência de atitudes louváveis no futebol brasileiro.

- Desci dos camarotes dez minutos antes do fim do jogo, como a partida estava sendo definida por um lance absurdo, me direcionei ao local no intuito de controlar os ânimos e evitar que, no calor das emoções, os atletas falassem algo que pudesse prejudica-los. Sendo assim, esperei ali na zona mista quando, infelizmente, fui extremamente maltratado pela segurança do Corinthians e pela Federação Paulista de Futebol, que deve colocar os seguranças para trabalhar no jogo em favor do futebol, não em favor do clube local. Mas o que estamos vendo é que se cultua o errado, o contrário. O clube visitante tem os mesmos direitos que o clube local, durante uma partida, mas o que aconteceu aqui não foi isso. O Vasco foi extremamente bem tratado pelo adversário, mas maltratado pela federação local, que parece estar servindo o Corinthians. Seguranças querendo fazer anotações para entregar para o árbitro, o que é isso? - disse o dirigente vascaíno, que completou.

- É humanamente impossível se resistir a isso. O que a gente está passando para a sociedade, e o que passa para os nossos filhos, é um mau exemplo. O Rodrigo Caio, que teve o Fair Play, lá atrás, está brigando para não cair. O jogador do Corinthians, que faz um gol de mão descaradamente, vai ser o campeão. Esse é o exemplo que o Brasil passa e que o futebol brasileiro está passando. É simples. A federação local trabalhando para a equipe, o time que faz um gol de mão e eles estão lá, tudo ótimo. Entrega logo a taça. Para que disputar? Para que competir? Para que ficar uma semana inteira trabalhando e se doando, para chegar aqui e acontecer isso? É justo? - questionou Eurico Brandão Miranda, que foi enfático ao mencionar erros de arbitragem contra o Gigante da Colina no decorrer da competição.

- O exemplo que se passou hoje, para as crianças que estavam assistindo em casa, é que o Fair Play não vale a pena. Mostrou que quem tem Fair Play não vence no futebol. Já assistimos jogadores dizendo que ganhar roubado é mais gostoso e vocês sabem disso. É esse tipo de coisa que perpetua no futebol. Alguns jogadores do Corinthians saíram de campo envergonhados. Eles mesmos estavam dizendo que foi gol de mão. Espero que se puna e que se cobre de um árbitro, que está a dois metros de lance, e não vê um gol de mão. Eles têm visão supersônica contra o Vasco. Quando é a favor do Vasco ninguém vê nada. Não tem um jogo com lance polêmico a favor do Vasco, mas tenho vinte contra. Errar é para os dois lados. Só para um lado sempre? Ninguém questiona isso? É difícil.

O vice-presidente de futebol do time da São Januário lembrou o caso de Fair Play do zagueiro Rodrigo Caio, que envolveu diretamente o adversário em questão. Eurico Brandão ainda lamentou que bons exemplos não sejam dados dentro das quatro linhas.

- Se o Corinthians quer demonstrar realmente o que aconteceu, ali está tudo filmado. Depois de um tempo a gente se excede, começa a brigar e discutir. Mas precisamos ver a origem dos fatos, como aconteceu, o que levou a isso. Minha ideia inicial era nem deixar o Zé Ricardo dar entrevista, porque agora a gente dá entrevista com medo do que pode acontecer. Você não pode falar de ninguém, reclamar de ninguém. Quem fala é julgado, mas quem comete os atos e os erros não é julgado. Isso é inadmissível e incompreensível. Quem reclama vai a julgamento, e quem erra? E quem prejudica o trabalho de dezenas de pessoas? O que acontece? Nada. Está aí o tão falado Fair Play do futebol. Infelizmente, quem tem Fair Play no futebol não vence - finalizou.
Postar um comentário